ORGANIZATIONAL COMMUNICATION: A THEORETICAL DISCUSSION

Samuel Carvalho De Benedicto, Cibele Roberta Sugahara, Cândido Ferreira Silva Filho, José Eduardo Rodrigues Sousa

Resumo


This study aims to present the theoretical-conceptual trajectory of communication in organizations. The studies of communication originated from the contribution of several disciplines, assuming an interdisciplinary nature. Usually, communicative objectives are cut out and treated according to the perspectives chosen among the fruitful diversity of views. In the organizational context, communication has assumed an important role in the management process. Communication in organizations must be treated in an integral way, permeating all organizational actions, making permanent the construction of their culture and identity and marking a unique style and their ways of projecting themselves outwardly aiming at the construction of their image. In this sense, organizations are seen as collective units of action constituted to achieve specific ends and directed by a power that establishes a form of authority that determines the status and the role of their members. Information in the communication process starts now to be considered an intermediate variable between communication and organization. The way how the information is perceived and interpreted by the receivers determines the concretization of communication.


Palavras-chave


Communication, Organizational Communication, Communication Theories, Information.

Referências


ARAÚJO, C. A. A. (2005). Análise temática da produção científica em comunicação no Brasil baseada em um sistema classificatório facetado. Perspectiva em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v.10 n.2, p. 253-258, jul./dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2017.

ARITZ, J.; WALKER, R. (Eds.). Discourse Perspectives on Organizational Commu-nication. Fairleigh Dickinson University Press: Madison, WI, 2012.

BALDISSERA, R. Comunicação organizacional, tecnologias e vigilância: entre a realização e o sofrimento. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação. E-compós, Brasília, v. 17, n.2, p. 1-15, mai./ago. 2014.

BORBA, C. P. et al. Ferramentas de comunicação organizacional em organizações não-governamentais. Pretexto, Belo Horizonte v. 13 n. 3 p. 44-71 jul./set. 2012.

BOUZON, A.; OLIVEIRA, I. L. As revistas científicas de Comunicação Organizacional e suas marcas epistemológicas: um estudo comparativo entre França e Brasil. Revista Brasileira de Ciência da Comunicação, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 129-149, Jan./Jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2017.

BRAGA, J. L. Constituição do campo da comunicação. Verso e Reverso, São Leopoldo, v. 24, n. 58, p. 62-77, jan.-abr., 2011.

BUENO, W. C. Comunicação empresarial no Brasil: uma leitura crítica. São Paulo: Comtexto/All Print, 2005.

BUENO, W. C. Comunicação empresarial: políticas e estratégias. São Paulo: Saraiva, 2009.

CARDOSO, O. O. Comunicação empresarial versus comunicação organizacional: novos desafios teóricos. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 40, n. 6, p. 1123-1144, Nov./Dez. 2006. Disponível em: . Acesso em: 12 Fev. 2017.

CARDOSO, O. O. Os paradigmas no ensino da comunicação: a transgressão epistemológica. Comunicação & Sociedade, São bernardo do Campo, v. 10, n. 17, p. 9-32, Ago. 1991.

CASALI, A. M. Comunicação organizacional: considerações epistemológicas. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 28., 2004, Curitiba. Anais..., Curitiba: ENANPAD, 2004. Disponível em: . Acesso em: 14 fev. 2017.

CASALI, A. M.; TAYLOR, J. R. Comunicação: o olhar da “Escola de Montreal” sobre o fenômeno organizacional. In MARCHIORI, M. (org.) Comunicação e Organização: reflexões, processos e práticas. 1ª. ed. São Caetano do Sul: Difusão Editora, 2010. p. 69-82.

CHUNG, C. J. Et al. An analyis on communication theory and discipline. Sciento-metrics, v. 95, n. 3, p.985-1002, 2013.

CLOUTIER, J. A Era de EMEREC. Lisboa: Instituto de Tecnologia Educativa, 1995.

COLPO, C. D.; OLIVEIRA, A. S. Desenvolvimento Regional: a comunicação organizacional como possibilidade de constituição da identidade dos sujeitos no Programa Catavida de Novo Hamburgo-RS. Redes, Santa Cruz do Sul, v. 22, n. 1, p. 430-447, jan.-abr., 2017.

EISENBERG, E. M.; GOODAL JR., H. L.; TRETHEWEY, A. Organizational commu-nication: balancing, creativity and constraint. 4ª. ed. New York: St Martin’s Press, 2009.

FELINTO, E. Da teoria da comunicação às teorias da mídia ou, temperando a epistemologia com uma dose de cibercultura. Revista Eco-Pós, v. 14 n. 1, p. 233-249, 2011.

FLECK, C. F.; PONS, M. E. D.; DALMORO, M. Comunicação integrada como elemento estratégico. Revista Perspectivas Contemporâneas, Campo Mourão, PR, v. 8, n. 1, p. 40-52, Jan./Jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 26 abr. 2017.

FRANÇA, V. R. V. (2001). Paradigmas da Comunicação: conhecer o quê? Ciber-legenda, Niterói, v. 5. n. 1, p. 01-19, 2001. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2017.

FRANÇA, V. R. V. Representações, mediações e práticas comunicativas. In: PEREIRA, M.; GOMES, R.C.; FIGUEIREDO, V.F. (Orgs.). Comunicação, representação e práticas sociais. v. 1, 2ª. ed. Rio de Janeiro/Aparecida: PUC-Rio/Idéias & Letras, 2008. p. 13-26.

GENELOT, D. Manager dans la complexité: reflexionsàl’usage des dirigeants. 3ª. ed. Paris: Insep Consulting, 2011.

GOLDHABER, G. Comunicación organizacional. México: Diana, 2003.

GUSHIKEN, Y. Dialogismo: Emergência do Pensamento Latino-Americano em Comunicação. Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo, v. 3, n. 8, p. 73-91, Nov. 2006. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2017.

HABERMAS, J. The theory of communicative action. Boston: Beacon Press, 2004.

KUNSCH, M. M. K. Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada. 4.ed. São Paulo: Summus, 2003.

KUNSCH, M. M. K. As dimensões humana, instrumental e estratégica da Comunicação Organizacional: recorte de um estudo aplicado no seguimento corporativo. Intercom – RBCC, São Paulo, v.35, n.2 p. 267-289, jul./dez. 2012.

MARTINO, L. M. Sá. Repensando a(s) teoria(s) da Cibercultura: articulações e tensões com as teorias da Comunicação. Questões Transversais - Revista de Epistemologias da Comunicação, V. 1, n° 2, p. 92-99, jul.-dez. 2013.

MATTELART, A.; MATTELART, M. História das teorias da comunicação. São Pau-lo: Loyola, 2005.

PAPA, M. J.; DANIELS, T. D.; SPIKER, B. K. Perspectives on organizational com-munication. Dubuque: Brown & Benchmark Publishers, 2008.

PRADO, J. L. A. Comunicação como epistemologia: do reconhecimento à emergência do acontecimento. Matrizes, São Paulo, v.9, n.2, p.109-125, jul./dez., 2015.

PUTNAM, L.; PHILLIPS, N.; CHAPMAN, P. (2004). Metáforas da comunicação organizacional. In: CLEGC, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. (Orgs.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 2004. v. 3, p. 77-125.

RESTREPO, J. M.; ANGULO, J. R. Intervenir en la organizacion. Santaféde Bogotá: Significantes de Papel Ediciones, 1995.

RESTREPO, J. M. Analizar las organizaciones es mirar cómo funciona la vida. Revista Dixit, n. 15, p. 16-26, octubre, 2011.

RÜDIGER, F. As teorias da comunicação. Porto Alegre: Penso, 2011.

SCROFERNEKER, C. M. A. Perspectivas teóricas da comunicação organizacional. 2004. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2017.

SCROFERNEKER, C. M. A. Trajetórias teórico-conceituais da Comunicação Organizacional. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 13, n. 31, p. 47–53, Dez. 2006. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2017.

SCROFERNEKER, C.; CASTILHOS, L.; AMORIM, L. R. (2013). (Re)Pensando os relacionamentos no contexto organizacional, face os desafios e possibilidades decorrentes das ‘novas’ tecnologias. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 36., 2013, Manaus. Anais..., Manaus: Intercom, 2013. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2017.

SPAHO, K. Organizational communication process. Ekonomski Vjesnik, v. 01, n. 2, p. 3009-317, December 2012

TAYLOR, J. R. et al. The computerization of work: A communication perspec-tive. Thousand Oaks, CA: Sage, 2001.

TAYLOR, J. R.; VAN EVERY, E. J. The emergent organization: Communication as its site and surface. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaun, 2000.

TORQUATO, G. Cultura, Poder, Comunicação e Imagem: fundamentos danova empresa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2001.

TORQUATO, G. Tratado de comunicação organizacional e política. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

TOMPKINS, P. K.; WANCA-THIBAULT, M. Organizational communication: prelude and prospects. In: JABLIN, F. M.; PUTNAM, L. L. (Eds.). The new handbook of or-ganizationalcommunication: advances in theory, research and methods. Thou-sand Oaks: Sage, 2001. p. 17-31.

URIBE, P. A. M.; ZULUAGA, U. H. S. Comunicación empresarial: Una mirada corporativa. Medellin: Colección Hermes, 2003.

VIZEU, F. Algumas contribuições da teoria da ação comunicativa para a área de organizações. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 27., 2003, Atibaia,SP. Anais..., Atibaia,SP: ENANPAD, 2003. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2017.

WELCH, M. The evolution of the employee engagement concept: communication implications. Corporate Communications: An International Journal, v.16, n. 4, p.328-346, October, 2011.

WOLF, M. Teorias da Comunicação. 8ª ed. Lisboa: Editorial Presença, 2003.


Texto completo: PDF

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .