MENTALIDADES ALTERNATIVAS DE CONSUMO: DELIMITAÇÕES, CONCEITOS E PRODUÇÃO CIENTÍFICA

Fabiane Volpato Chiapinoto, Mygre Lopes da Silva, Rodrigo Abbade da Silva, Luciana Flores Battistella, DANIEL ARRUDA CORONEL

Resumo


O presente estudo procura contribuir para a temática das mentalidades alternativas de consumo. Neste sentido, o objetivo deste trabalho consistiu em ampliar a discussão teórica sobre anticonsumo, simplicidade voluntária, hedonismo alternativo, bem como explorar a produção científica destes tópicos, por meio de uma pesquisa bibliométrica na base de dados Web of Science, no período de 2005 a 2015. Foram encontrados 40 artigos com predomínio de trabalhos nos Estados Unidos e na Inglaterra. Verifica-se que a literatura mundial acerca das mentalidades alternativas de consumo não se encontra consolidada, o que sugere a ampliação do debate teórico. Além disso, alguns conceitos e pesquisas não são delimitados, levando, portanto, à sobreposição dos significados e à ausência de demarcação entre as áreas.

 


Palavras-chave


Teoria da Cultura de Consumo. Anticonsumo. Simplicidade Voluntária. Hedonismo Alternativo.

Referências


ARAÚJO, C. A. Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão. Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 11-32, 2006.

BACELLAR, A. A Análise de Dados na Pesquisa Qualitativa. Revista Episteme, Tubarão: Editora Unisul, v.7, n.21, p.07-20, 2000.

BARBOSA, L. Cultura, consumo e identidade: limpeza e poluição na sociedade brasileira contemporânea. Orgs: BARBOSA, L.; CAMPBELL, C. Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

BARBOSA, L.; CAMPBELL, C. O estudo do consumo nas ciências sociais contemporâneas. Orgs: BARBOSA, L.; CAMPBELL, C. Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo. Rio de Janeiro: Elfos Editora, 1995.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A reprodução. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1975.

BRAGA, J. C. Crise sistêmica da financeirização e a incerteza das mudanças. Estudos avançados, v.23, n.65, p. 89-102, 2009.

CALVER, S. J.; PAGE, S. J. Enlightened hedonism: Exploring the relationship of service value, visitor knowledge and interest, to visitor enjoyment at heritage

attractions. Tourism Management, n. 39, p. 23-36, 2013.

CAMPBELL, C. A Ética Romântica e o Espírito do Consumismo Moderno. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

CAMPBELL, C. Eu compro, logo sei que existo: as bases metafísicas do consumo moderno. Orgs: BARBOSA, L.; CAMPBELL, C. Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

CAPES – COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. Acervo. 2015. Disponível em:

http://www.periodicos.capes.gov.br/index.php?option=com_pmetabusca&mn=70&smn=78&base=find-db-1&type=b&Itemid=121. Acesso em: Jun. 2016.

CHAUVEL, M. A.; SILVA, R. C. M.; ARAUJO, F. F.; HOR-MEYLL, L. F. Anticonsumo no Brasil: reflexões sobre os estudos existentes e proposta de uma agenda de pesquisa. Desenvolvimento e Gestão, v.18, n.1, p.5-23, jan./abr., 2015.

CHERRIER, H. Anti-consumption discourses and consumer-resistant identities. Journal of Business Research, n. 62, p. 181–190, 2009.

COMASSETTO, B. H.; SOLALINDEZ, G. P. SOUZA, J. V. R.; TREVISAN, M. ABDALA, P. R. Z.; ROSSI, C. A. V. Nostalgia, anticonsumo simbólico e bem-estar: a agricultura urbana. Revista de Administração de Empresas, n. 4, v. 53, p. 364-375, jul./ago., 2013.

FEATHERSTONE, M. Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo: Studio Nobel, 1995.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª edição. São Paulo: Editora Atlas S. A., 2010.

HOLBROOK, M. B.; HIRSCHMAN, E. C. The Experiential Aspects of Consumption: Consumer fantasies, feelings, and fun. Journal of Consumer Research, v. 9, p. 132-140, set. 1982.

INTERNATIONAL JOURNAL OF CONSUMER STUDIES. Aims and Scope. Disponível em: . Acesso em: Jul. 2016.

IYER, R.; MUNCY, J. A. Purpose and object of anti-consumption. Journal of Business Research, n. 62, p. 160–168, 2009.

MACEDO, M. A. S.; CASA NOVA, S. P.; ALMEIDA, K. Mapeamento e análise bibliométrica da utilização da análise envoltória de dados (DEA) em estudos das áreas de contabilidade e administração. In: ENANPAD, 2007, Rio De Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: ANPAD, 2007.

MANCEBO, D.; OLIVEIRA, D. M.; FONSECA, J. G. T.; SILVA, L. V. Consumo e subjetividade: trajetórias teóricas. Estudos de Psicologia, v. 7, n. 2, p. 325-332, 2002.

MANKIW, N. G. Introdução à economia. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

McCRACKEN, G. Cultura e Consumo: uma explicação teórica da estrutura e do movimento do significado cultural dos bens de consumo. Revista de Administração de Empresas, v. 47, n.1, p. 99-115, jan./mar., 2007.

McDONALD, S.; OATES, C. J.; YOUNG, C. W; et. al. Toward sustainable consumption: Researching voluntary simplifiers. Psychology & Marketing, n. 6, v. 23, p. 515-534, jun. 2006.

MILLER, D. Consumo como cultura material. Horizontes antropológicos, v. 13, n. 28, p. 33-63, 2007.

O'SHAUGHNESSY, J.; O'SHAUGHNESSY, N. J. Reply to criticisms of marketing, the consumer society and hedonism. European Journal of Marketing, n. 1/2, v. 41, p.7 – 16, 2007.

PATSIAOURAS, G.; FITCHETT, J. A. The evolution of conspicuous consumption. Journal of Historical Research in Marketing, v. 4, n. 1, p. 154-176, 2012.

PEPPER, M.; JACKSON, P. J.; UZZELL, D. An examination of the values that motivate socially conscious and frugal consumer behaviours. International Journal of Consumer Studies, n. 2, v. 33, p. 126-136, mar. 2009.

PIACENTINI, M. G.; BANISTER, E. N. Managing anti-consumption in an excessive drinking culture. Journal of Business Research, n. 62, p. 279–288, 2009.

PINTO, M. R.; LARA, J. E. As experiências de consumo na perspectiva da teoria da cultura do consumo: identificando possíveis interlocuções e propondo uma agenda de pesquisa. Cadernos EBAPE.BR, v. 9, n. 1, mar., p.37-56, 2011.

ROCHA, E.; BARROS, C. Dimensões culturais do marketing: teoria antropológica, etnografia e comportamento do consumidor. Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 4, p. 36-47, out./dez., 2006.

ROCHA, E. Culpa e prazer: imagens do consumo na cultura de massa. Comunicação, Mídia e Consumo, v. 2, n. 3, p. 123-138, mar. 2005.

ROSTAING, H. La bibliométrie et sés techniques. Toulouse: Sciences de la Société; Marseille: Centre de Recherche Rétrospective de Marseille, 1997.

SHAH, S. K. Motivation, Governance, and the Viability of Hybrid Forms in Open Source Software Development. Management Science, n. 7, v. 52, p. 1000-1014, jul. 2006.

SILVA, M. R. Análise bibliométrica da produção científica docente do programa de pós-graduação em educação especial/UFSCar: 1998-2003. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.

SZMIGIN, I.; CARRIGAN, M.; McEACHEN, M. G. The conscious consumer: taking a flexible approach to ethical behavior. International Journal of Consumer Studies, n. 2, v. 33, p. 224-231, mar. 2009.

TASCHNER, G. Raízes da cultura do consumo. Revista USP, n. 32, p. 26-43, dez./ fev. 1996-97.

TORRES FILHO, E. T. Entendendo a crise do subprime. Visão do Desenvolvimento- BNDES, n. 44, jan., p. 1-9, 2008.

VEBLEN, T. The Theory of the Leisure Class: An Economic Study of Institutions. New York: Random House, 1899.

ZAGATA, L. Towards conscientious food consumption: Exploring the values of Czech organic food Consumers. International Journal of Consumer Studies, n. 38, p. 243-250, 2014.