MENTALIDADES ALTERNATIVAS DE CONSUMO: DELIMITAÇÕES, CONCEITOS E PRODUÇÃO CIENTÍFICA

Fabiane Volpato Chiapinoto, Mygre Lopes da Silva, Rodrigo Abbade da Silva, Luciana Flores Battistella, Daniel Arruda Coronel

Resumo


O presente estudo procura contribuir para a temática das mentalidades alternativas de consumo. Neste sentido, o objetivo deste trabalho consistiu em explorar a produção científica das mentalidades alternativas de consumo, as quais são anticonsumo, simplicidade voluntária e hedonismo alternativo, bem como definir estes três conceitos. Para tal, emprega-se uma pesquisa bibliométrica, na base de dados Web of Science, no período de 2005 a 2015, e análise de conteúdo. Foram encontrados 40 artigos com predomínio de trabalhos nos Estados Unidos e na Inglaterra. Verifica-se que a literatura mundial acerca das mentalidades alternativas de consumo não se encontra consolidada, o que sugere a ampliação do debate teórico. Além disso, alguns conceitos e pesquisas não são delimitados, levando, portanto, à sobreposição dos significados e à ausência de demarcação entre as áreas.

 


Palavras-chave


Teoria da Cultura de Consumo. Anticonsumo. Simplicidade Voluntária. Hedonismo Alternativo.

Referências


ARAÚJO, C. A. Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão. Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 11-32, 2006.

BACELLAR, A. A Análise de Dados na Pesquisa Qualitativa. Revista Episteme, Tubarão: Editora Unisul, v.7, n.21, p.07-20, 2000.

BARBOSA, L. Cultura, consumo e identidade: limpeza e poluição na sociedade brasileira contemporânea. Orgs: BARBOSA, L.; CAMPBELL, C. Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

BARBOSA, L.; CAMPBELL, C. O estudo do consumo nas ciências sociais contemporâneas. Orgs: BARBOSA, L.; CAMPBELL, C. Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo. Rio de Janeiro: Elfos Editora, 1995.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A reprodução. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1975.

BRAGA, J. C. Crise sistêmica da financeirização e a incerteza das mudanças. Estudos avançados, v.23, n.65, p. 89-102, 2009.

CALVER, S. J.; PAGE, S. J. Enlightened hedonism: Exploring the relationship of service value, visitor knowledge and interest, to visitor enjoyment at heritage

attractions. Tourism Management, n. 39, p. 23-36, 2013.

CAMPBELL, C. A Ética Romântica e o Espírito do Consumismo Moderno. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

CAMPBELL, C. Eu compro, logo sei que existo: as bases metafísicas do consumo moderno. Orgs: BARBOSA, L.; CAMPBELL, C. Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR- CAPES . Acervo. 2015. Disponível em: . Acesso em: jun. 2016.

CHAUVEL, M. A.; SILVA, R. C. M.; ARAUJO, F. F.; HOR-MEYLL, L. F. Anticonsumo no Brasil: reflexões sobre os estudos existentes e proposta de uma agenda de pesquisa. Desenvolvimento e Gestão, v.18, n.1, p.5-23, jan./abr., 2015.

CHERRIER, H. Anti-consumption discourses and consumer-resistant identities. Journal of Business Research, n. 62, p. 181–190, 2009.

COMASSETTO, B. H.; SOLALINDEZ, G. P. SOUZA, J. V. R.; TREVISAN, M. ABDALA, P. R. Z.; ROSSI, C. A. V. Nostalgia, anticonsumo simbólico e bem-estar: a agricultura urbana. Revista de Administração de Empresas, n. 4, v. 53, p. 364-375, jul./ago., 2013.

FEATHERSTONE, M. Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo: Studio Nobel, 1995.

HOLBROOK, M. B.; HIRSCHMAN, E. C. The Experiential Aspects of Consumption: Consumer fantasies, feelings, and fun. Journal of Consumer Research, v. 9, p. 132-140, set. 1982.

INTERNATIONAL JOURNAL OF CONSUMER STUDIES. Aims and Scope. Disponível em: . Acesso em: Jul. 2016.

IYER, R.; MUNCY, J. A. Purpose and object of anti-consumption. Journal of Business Research, n. 62, p. 160–168, 2009.

MACEDO, M. A. S.; CASA NOVA, S. P.; ALMEIDA, K. Mapeamento e análise bibliométrica da utilização da análise envoltória de dados (DEA) em estudos das áreas de contabilidade e administração. In: ENANPAD, 2007, Rio De Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: ANPAD, 2007.

MANCEBO, D.; OLIVEIRA, D. M.; FONSECA, J. G. T.; SILVA, L. V. Consumo e subjetividade: trajetórias teóricas. Estudos de Psicologia, v. 7, n. 2, p. 325-332, 2002.

MARINHO, T. A. Cultura e economia: a busca de uma teoria do consumo. Sociedade e Estado, n. 3, v.23, p. 761- 766, set./dez., 2008.

McCRACKEN, G. Cultura e Consumo: uma explicação teórica da estrutura e do movimento do significado cultural dos bens de consumo. Revista de Administração de Empresas, v. 47, n.1, p. 99-115, jan./mar., 2007.

McDONALD, S.; OATES, C. J.; YOUNG, C. W; et. al. Toward sustainable consumption: Researching voluntary simplifiers. Psychology & Marketing, n. 6, v. 23, p. 515-534, jun. 2006.

MILLER, D. Consumo como cultura material. Horizontes antropológicos, v. 13, n. 28, p. 33-63, 2007.

MORAES, B. M. M.; SILVA, M. L.; COSTA, V. M. F.; CORONEL, D. A.; BENDER FILHO, R. B. Análise das práticas anticompetitivas notificadas ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). Revista Diálogos Interdisciplinares, n. 2, v. 5, p. 42-57, 2016.

OBSERVATÓRIO DE SINAIS- ODES. Consumo em tempos de crise, 2009. Disponível em: . Acesso em: mai., 2017.

O'SHAUGHNESSY, J.; O'SHAUGHNESSY, N. J. Reply to criticisms of marketing, the consumer society and hedonism. European Journal of Marketing, n. 1/2, v. 41, p.7 – 16, 2007.

PATSIAOURAS, G.; FITCHETT, J. A. The evolution of conspicuous consumption. Journal of Historical Research in Marketing, v. 4, n. 1, p. 154-176, 2012.

PEPPER, M.; JACKSON, P. J.; UZZELL, D. An examination of the values that motivate socially conscious and frugal consumer behaviours. International Journal of Consumer Studies, n. 2, v. 33, p. 126-136, mar. 2009.

PIACENTINI, M. G.; BANISTER, E. N. Managing anti-consumption in an excessive drinking culture. Journal of Business Research, n. 62, p. 279–288, 2009.

PINTO, M. R.; LARA, J. E. As experiências de consumo na perspectiva da teoria da cultura do consumo: identificando possíveis interlocuções e propondo uma agenda de pesquisa. Cadernos EBAPE.BR, v. 9, n. 1, mar., p.37-56, 2011.

ROCHA, E.; BARROS, C. Dimensões culturais do marketing: teoria antropológica, etnografia e comportamento do consumidor. Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 4, p. 36-47, out./dez., 2006.

ROCHA, E. Culpa e prazer: imagens do consumo na cultura de massa. Comunicação, Mídia e Consumo, v. 2, n. 3, p. 123-138, mar. 2005.

ROSTAING, H. La bibliométrie et sés techniques. Toulouse: Sciences de la Société; Marseille: Centre de Recherche Rétrospective de Marseille, 1997.

SALLES, A. O. T.; CAMATTA, R. B. O Utilitarismo de Jevons e a crítica de Veblen acerca da teoria do consumo. Revista Economia Ensaios, n. 28, v. 2, p. 77-108, jan./jun., 2014.

SHAH, S. K. Motivation, Governance, and the Viability of Hybrid Forms in Open Source Software Development. Management Science, n. 7, v. 52, p. 1000-1014, jul. 2006.

SILVA, M. R. Análise bibliométrica da produção científica docente do programa de pós-graduação em educação especial/UFSCar: 1998-2003. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.

SZMIGIN, I.; CARRIGAN, M.; McEACHEN, M. G. The conscious consumer: taking a flexible approach to ethical behavior. International Journal of Consumer Studies, n. 2, v. 33, p. 224-231, mar. 2009.

TASCHNER, G. Raízes da cultura do consumo. Revista USP, n. 32, p. 26-43, dez./ fev. 1996-97.

TORRES FILHO, E. T. Entendendo a crise do subprime. Visão do Desenvolvimento- BNDES, n. 44, jan., p. 1-9, 2008.

VEBLEN, T. The Theory of the Leisure Class: An Economic Study of Institutions. New York: Random House, 1899.

WEBER, A. L. A Crise do Subprime e seus impactos na Crise da Dívida Pública Europeia. Monografia (Graduação em Relações Internacionais) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

ZAGATA, L. Towards conscientious food consumption: Exploring the values of Czech organic food Consumers. International Journal of Consumer Studies, n. 38, p. 243-250, 2014.


Texto completo: PDF

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .