HONORÁRIOS DE AUDITORIA: ANÁLISE COMPARATIVA EM EMPRESAS LISTADAS NA BM&FBOVESPA

Alyssan Monteiro Binda, Vanessa Thompson Barros, Donizete Reina, Diane Rossi Maximiano Reina, Mirian Albert Pires

Resumo


Com a adoção da prática de governança corporativa, as empresas conseguem emitir sinais aos usuários externos com confiabilidade sobre suas informações. De acordo com a teoria da sinalização, as práticas e mecanismos de governança corporativa, é a forma de a empresa representar sinais que estão se comunicando com o mercado. Neste contexto, este artigo apresenta o estudo realizado em verificar se há relação entre os níveis de governança corporativa e os honorários de auditoria contábil das empresas listadas na BM&FBovespa. A pesquisa analisou uma amostra de 169 empresas referente ao ano de 2015 por meio da análise de estatística descritiva e a técnica econométrica de regressão linear múltipla. A pesquisa é descritiva, documental e com análise quantitativa. Foram utilizadas como hipótese de pesquisa as seguintes variáveis: governança corporativa (GovCorp), firma de auditoria (Big4), tamanho da empresa (Tam), complexidade (Subs), retorno sobre o ativo (ROA), alavancagem financeira (Alav), contas a receber (CtasRec) e estoque (Est) abordando a relação a entre a variável dependente honorários de auditoria (HonAud). Os resultados demonstraram que apenas as variáveis Big4, Tam e Alav possuem relação positiva e significativa com os honorários de auditoria. Portanto, rejeita-se a hipótese principal do estudo, pois não foi constatada relação positiva e significativa entre os níveis de Governança Corporativa e os honorários de auditoria contábil.

Palavras-chave


Honorários de Auditoria; Governança Corporativa; Teoria da Sinalização.

Texto completo: PDF

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .